• Grey LinkedIn Icon
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Google+ Icon

© 2023 by SCALE IT UP. Proudly created with wix.com  ,  For Questions /  Contact us at info@mysite.com

 28 / 29 de Março 2019, Braga

Pensar Barroco

da talha dourada

às práticas artísticas contemporâneas

SEMINÁRIO ARTE + CIÊNCIA

Inscrição na conferência e apresentação dos projectos artísticos é gratuita, mas obrigatória

pode ser feita no Museu Nogueira da Silva, ou por email zmadart@gmail.com

ou pelo formulário online

28 - 29 de Março

Organização: ART-MAP moving curatorial project

Comissão cientifica:

Doutor Miguel Bandeira Duarte, Director do MNS, Univ. do Minho

Doutora Alice Duarte, ISUP, DCTP, Museologia, FLUP

Coordenação e produção: Madina Ziganshina, CITCEM

Espaços:

Museu Nogueira da Silva

O Ministério da Administração Interna/ Recolhimento das Convertidas

Casa Museu dos Biscainhos

Apoios: CITCEM

SEMINÁRIO Programa PDF

RESIDÊNCIAS ARTÍSTICAS 

WORKSHOP DE TALHA DOURADA 

CONCERTO 

RESUMO

 

 

Com acolhimento institucional do Museu Nogueira da Silva Associação Amigos das Convertidas e Museu dos Biscainhos, e apoiando-se nos princípios de Nova Museologia, o projecto pretende criar condições para a construção da área interdisciplinar resultante do cruzamento entre investigação artística contemporânea e estudos patrimoniais. Na continuação do projecto ART-MAP “Pensar Barroco”(2017), segue-se um seminário temático, “da talha dourada às práticas artísticas contemporâneas”, com artistas e académicos convidados com interesse em diversas áreas teórico-práticas: do restauro e história da arte até à criação artística contemporânea e experimentação com novos meios.

CONCEITO

 

O projecto anterior, “Pensar Barroco”(2017), teve abertura e abrangência de tema e de expressão, uma vez que se relacionava com o Barroco e Braga, e permitiu, em primeiro lugar, identificar o interesse e disponibilidade dos participantes para explorar a vertente patrimonial, estudar e interpretar as narrativas históricas do estilo no contexto Bracarense e direccionar as suas práticas para a articulação do barroco com as novas linguagens. Por outro lado revelou-se a possibilidade de qualificar o trabalho de investigação artística neste sentido pelo foco temático mais específico e pelo cruzamento de disciplinas criativas com os ramos que procuram estudar e preservar o património, para a produção de pensamento crítico e inovador. As primeiras conduzem a sua pesquisa pela poetização dos signos culturais e construção de novos significados e novos artefactos; os segundos reúnem o conhecimento objectivo pela interpretação dos artefactos e documentos históricos. Neste sentido, durante o seminário, será possível partilhar e discutir problemáticas, objectivos e metodologias de cada uma das disciplinas mencionadas (que podem às vezes ter sentidos contraditórios), o que permitiria enriquecimento e aprofundamento dos discursos.

Os artistas plásticos convidados distinguem-se pelo seu trabalho continuado na área da arte contemporânea, experimentação com novos meios e arte de instalação, o que não os alheia da herança cultural do passado. O desafio das residências artísticas, será alargar o conceito de instalação “site-specific” (obra adaptada para um determinado espaço expositivo) para criação integrante de aspectos da identidade local. Neste sentido propõe-se focar o evento na talha dourada barroca, uma arte marcante para esta época em Portugal. Podemos especular, para efeitos artísticos, que as naves, altares e retábulos que em muitas igrejas se encontram completamente forrados a ouro, foram, na altura, precisamente as instalações “site specific”? Executadas pelos artesãos para sítios definidos, estes contém a certa liberdade de interpretação de temas e formas, que a época barroca favorecia. Como pode este tema ter continuação, reformulação e adaptação para a transmissão de assuntos modernos? Que novas linhas de identificação com este património barroco podem introduzir os artistas? Pode o diálogo de novas obras com obras do passado sensibilizar os públicos para a diversidade de aberturas que o assunto oferece?

A talha dourada, além da sua significância estética e patrimonial, evoca várias linhas de reflexão, por exemplo: histórica, que remete-nos para a importação de ouro do Brasil no início do século XVIII; teológica, que aborda a simbologia das representações; restauro e as suas metodologias, ética e estética de conservação, entre outros. Para qualificar o trabalho artístico, fortalecer as ferramentas de crítica institucional e marcar um território interdisciplinar entre património e arte contemporânea, os artistas contemporâneos de quatro países, Portugal, Espanha, Inglaterra e Holanda, e investigadores na área da história da arte, crítica e restauro são convidados para fazer as suas comunicações em Braga, nos dias 28-29 de Março de 2019. A originalidade do conceito deste seminário consiste em: 1) a possibilidade de realizar as apresentações em enquadramento contextual – barroco e 2) em cruzamento interdisciplinar, com envolvimento de prática artística, para valorizar as várias visões sobre o tema, o que pode ser desafiante para todos os participantes, sobretudo para os artistas convidados, que irão conhecer diversas abordagens do património, para a sua melhor identificação com o mesmo. O programa contém 4 comunicações de oradores convidados da Universidade do Porto e da Universidade do Minho, 3 residências artísticas de 3 dias cada e uma, um workshop e uma apresentação pública de um espectáculo audiovisual. O seminário vai ter uma pequena publicação-catálogo.

LINHAS PRINCIPAIS / OBJECTIVOS

  1. Procurar abordagens integrantes para o conceito de residência artística e seminário científico, alargando a noção de projecto artístico e de comunicação científica para uma pesquisa etnográfica e apresentação conjunta de resultados. O Museu Nogueira da Silva, afiliado à Universidade do Minho, Associação Amigos das Convertidas e Museu dos Biscainhos serão os espaços mediadores do evento, que vão receber o seminário, proporcionando a sua realização com a qualidade, e vão acolher as 3 curtas residências artísticas na área da arte visual, dando o enquadramento de encontro institucional a ambas as actividades. Referente ao tema, propõe-se envolver em organização do seminário duas entidades locais com valor patrimonial, Convento das Convertidas e Palácio dos Biscainhos, para acolhimento de algumas das actividades num ambiente barroco.

  2. Pretende-se pronunciar e consciencializar os indicadores de diferença e de entrelaço entre os conceitos de património e identidade local, ou seja, a relação e tenção entre a herança do passado e os valores do presente. O projecto convida os participantes e os públicos a identificar-se com o património de forma criativa e pensar a continuidade cultural relevante. A proposta torna-se actual tomando em conta que a ideia, presentemente promovida nas políticas culturais (para efeitos de desenvolvimento turístico), de ligação linear entre o património e a identidade (onde o património é marcador e inspirador da identidade local), desencontra-se com uma linha crítica do ambiente académico de complexidade dos processos patrimoniais e identitários. A comunidade artística, por sua vez, também está atenta aos discursos referidos, visando o património e identidade local, nas suas diversas manifestações, simultaneamente como material, ferramenta e como área de intervenção.

SCHEDULE /

Com acolhimento institucional do Museu Nogueira da Silva, o projecto pretende criar condições para a construção da área interdisciplinar resultante do cruzamento entre investigação artística contemporânea e estudos patrimoniais apoiando-se nos princípios de Nova Museologia. Na continuação do projecto ART-MAP “Pensar Barroco”(2017), segue um encontro temático (por convite) “da talha dourada às práticas artísticas contemporâneas” entre artistas e académicos com interesse em diversas áreas teórico-práticas: do restauro e história da arte até à criação artística contemporânea e experimentação com novos meios.

Oradores Convidados

 

Doutor Luís Casimiro, historiador da arte Univ. do Porto

Luís Alberto Casimiro é graduado em Artes Plásticas – Pintura (1991) pela Faculdade de Belas Artes do Porto e Doutorado em História da Arte (2005) pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP). A Tese de Doutoramento foi galardoada pelo Vaticano, em 2010, com o prémio anual das «Pontificie Accademie in Mariologia», concedido pelo «Pontíficio Consiglio della Cultura», pela primeira vez atribuído a um investigador leigo e a um português. Realizou o Pós-Doutoramento (2006-2007), como bolseiro da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Participou em mais de duas dezenas de congressos e encontros de natureza científica, com publicação dos artigos nas respectivas actas. É autor de diversos projetos científicos e pedagógicos, e de várias publicações em revistas de especialidade, autor de três livros e co-autor de diversos outros. Como professor da FLUP, orientou diversas Teses de Mestrado e Doutoramento e participou em dezenas de júris. Atualmente faz investigação independente no campo da Iconografia.

João Carlos da Costa Soares, historiador da arte e restaurador, e Luís Miguel da Ponte Marques, especialista de talha dourada

João Soares n. 1969. Naturalidade – Vieira do Minho, Residência – Sardoal. Ingressou nas fileiras do Exército Português de 1989 até 1999, tendo desempenhado funções de âmbito desportivo e posteriormente de serviços financeiros, passa à reserva por acidente em 1999 como 1º Sargento. Forma-se em conservação e Restauro pelo Politécnico de Tomar em 1999. Em Janeiro de 2000 ingressou nos quadros do Município de Sardoal como técnico superior de Conservação e Restauro. Desempenha funções como técnico nesta instituição até à data de hoje. Conservador /Restaurador da Santa Casa da Misericórdia de Sardoal. Conservador da Diocese de Portalegre e Castelo Branco, na Comissão para os Bens Culturais da Igreja onde é membro efetivo. Consultor de património na PARTNIA, Caldas da Rainha. Coordenador de oficina do CTESP, Produção Artística para Conservação e Restauro. Coaching no Mestrado de Conservação e Restauro no IPT, na área do empreendedorismo.

Luís Miguel da Ponte Marques, Mestrado em Engenharia Civil – Materiais e Reabilitação da· Construção – Tema: “Conjuntos Retabulares em Madeira” – Tecnologias de Construção e Princípios Regentes de Reabilitação – Universidade do Minho, Escola de Engenharia, Departamento de Engenharia Civil, Guimarães. Pós-Graduação em Engenharia Civil – Materiais e· Reabilitação da Construção – Universidade do Minho, Escola de Engenharia, Departamento de Engenharia Civil, Guimarães. Licenciatura em Conservação e Restauro, variante Tecnologia· e Restauro, área de Talha – Instituto Politécnico de Tomar, Escola Superior de Tecnologia – Departamento de Arte, Arqueologia e Restauro. Bacharelato em Tecnologia em Conservação e Restauro –· Instituto Politécnico de Tomar, Escola Superior de Tecnologia, Departamento de Arte, Arqueologia e Restauro.

Ana Brito, conservadora-restauradora e Rita Veiga, conservadora-restauradora

Investigadora do CITAR (Centro de Investigação em Ciências e Tecnologia das Artes da UCP), doutoranda em Conservação de Bens Culturais na Universidade Católica Portuguesa (UCP), com o tema “A técnica e a materialidade da pintura de Abel Salazar e a crítica de arte em Portugal na primeira metade do século XX”, sob a orientação de Prof. Doutora Ana Calvo e Prof. Doutor António João Cruz. Mestre em Técnicas e Conservação de Pintura pela Universidade Católica Portuguesa (UCP) em 2009. Bacharel na Escola Superior de Conservação e Restauro (ESCR) em 1993. Bacharel na Escola Superior de Belas Artes do Porto (ESBAP) em 1989. Leccionou em várias Universidades em Portugal, tendo também iniciado a sua actividade profissional a título particular em 1993. Em 1998, fundou a empresa Porto Restauro, desenvolvendo actividade na coordenação dos trabalhos desde então. É sócia-profissional da ARP - Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal.

  Rita Veiga, conservadora-restauradora

Licenciada em Conservação e Restauro pela Universidade Católica Portuguesa, Porto (2007) e Mestre em Técnicas e Conservação de Pintura pela mesma Instituição (2010). Desenvolve a sua actividade enquanto conservadora-restauradora nas áreas de pintura de cavalete e talha dourada. Participou como bolseira de investigação nos projectos “MTPNP-Materiais e Técnicas de Pintores do Norte de Portugal” (Universidade Católica Portuguesa) e “GILT-Teller: an interdisciplinar multi-scale study of gilding techniques and materials in Portugal, 1500-1800” (Universidade Nova de Lisboa). Colabora com a empresa Porto Restauro, Lda. É sócia-profissional da ARP - Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal.

Artistas

 

Instalação e comunicação artística - Marcelo de Melo, Holanda

Artista e investigador, nasceu no Brasil em 1972 e vive em Amesterdão;  expõe, produz espectáculos, apresenta conferências. Doutoramento em Prática Artística, University for the Creative Arts, Canterbury, Inglaterra, com bolsa (2014/19); Mestre em Artes Plásticas, University for the Creative Arts, Canterbury, Inglaterra; Bacharel e Licenciado em História, Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 2016: XI Prix Picassiette, (3º lugar, Profissional), Association les 3R, Chartres, França; 2013: Prémio Especial, Zeugma Museum, Gaziantep Provincial Head of Culture, Turquia; 2012: Prémio Begehungen Chemnitz, Alemanha; 2003: Prêmio do Juri, Exposição Earth Elements, SAMA@ Miami-Dade College. Teve exposições individuais em:  Folkestone, Hastings, Lincoln, Glasgow e Maidstone, RU; Ravenna, Itália; Curitiba e Rio de Janeiro, Brasil; Amsterdão, Holanda; e colectivas em: Montreal, Canada; Ponte de Lima, Portugal; Ramat HaSharon, Israel; Curitiba, Brasil;   Avilés, Espanha; Buenos Aires, Argentina; Thessaloniki, Grécia; Seattle, Dayton e Nova Iorque, EUA; Santo Domingo, Republica Dominicana.

Instalação e comunicação artística  - Adam King, Inglaterra

Artista plástico britânico. Mestre em Desenho pela Wimbledon School of Art, Londres (2003), BA em Pintura pela Brighton University, East Sussex (1994). As suas obras estão nas colecções de Charles Saatchi, V22, London  International Collage Centre, USA  World Wildlife Fund. Principais exposições individuais: 2018 - Alison Richard Building, Universidade de Cambridge, RU; 2016 - "Storm field", Canal gallery, Londres; 2015 - instalação no Merton College, Universidade de Oxford;  Just Gather Film Festival, Edinburgh, Escócia; "Roundabout the Edge of the World", The Tea Lounge, Norwich; 2014 - "We Live Together Like a Sky On Fire", Canal gallery, Londres; "After the Sky Fell In", Burlington Gardens Projects Space, Londres; 2013 - "Rollercoastervista", Platform 39, Londres; De'Longhi/Macmillan show and auction, Royal College of Art, Londres; "Remix: Selections from the International Collage Centre", Katonah Museum of Contemporary Art and Tour, EUA;  2010 - "Mudflats and Galaxy", com a galeria Monika Bobinska, Londres; 2011 – "works by Adam King, The Solo Project", Basel, com curadoria de Monika Bobinska; 2011 - "Beyond Pattern", Oriel Davies and Tour, Inglaterra; "Badlands" na Feira de Arte de Londres com a galeria Monika Bobinska; 2010 - "Cosmic Mysteries", Galerie Espacio, Valencia, Espanha, (colectiva); "Inspired by William Morris", Museu William Morris, Walthamstow, Londres, (colectiva); 2009 - Bobinnska Gallery, Londres; "Pandamonium" (Comissionado pela  WWFund); "Selfridges", Londres; Feira de Arte "Pulse" com a Galeria Pippy Houldsworth, The Ice Palace, Miami, EUA; Feira de Arte "Pulse" com a galeria Monika Bobinska, Nova Iorque (colectiva).

Instalação e comunicação artística  - Manuel Barbero, Espanha

Artista espanhol. Doutorado em Belas Artes (1996). Professor da Faculdade de Belas Artes de Cuenca e da Universidad Complutense de Madrid. O seu trabalho é conhecido a nível mundial. Realizou exposições individuais em: Galeria Blanca Soto, Max Estrella, Galeria Estampa, Círculo de Belas Artes, Museu López Villaseñor, Arte Madrid, Just Madrid, COAM , CAC, Colégio de Espanha em Paris, Royal Botanic Garden de Madrid, Museu da Evolução Humana, entre outros. Participou em exposições colectivas, de que destaca: Desenho espanhol contemporâneo Nulla die sine linea (2011), com exposições em Seul, Londres, Berlim, Lisboa, Chicago e promovido pelo Ministério da Cultura espanhol. Também o projecto “Mais e melhor ajuda” (2014-15) organizado pela Intermón Oxfam e pela Fundação Bill e Melinda Gates, desenvolvido entre a Espanha e a Colômbia. Recebeu várias bolsas de estudo para conduzir investigações artísticas: Bolsa de Pesquisa da Comunidade de CLM na Faculdade de Belas Artes de Cuenca; Bolsista na Universidade Nacional Autonoma do México; Bolsista na Brown University (EUA). Recebeu vários prémios: o Metro de Valencia, Metro de Madrid, a Villa de Las Rozas. Prémio Villa de Brunete, Faculdade Nacional de Artes Plásticas, Prémio Accor de Paris, Prémio Lazarillo de Ilustración, Virgen de las Viñas. Como professor, foi convidado para dar palestras em: Museu da América, Universidade de Alcalá, UCLM, Universidade Complutense, Universidade Autonoma de Madri, Academia Sangsangmadang, RJ Botanic, Casa de América e colabora ou colaborou com revistas e editorais (SM, Hachette, G e J, Muito Interessante, GEO, Delibros, Quo, Clij).

Workshop de talha dourada - Leonel Costa, Portugal

Leonel Costa, nasceu em Guimarães em 1988, torna-se Mestre em Conservação e Restauro com especialidade em escultura em madeira policromada em 2011 pelo Instituto Politécnico de Tomar. Profissionalmente desenvolveu actividade em colaboração com a empresa Signinum, Gestão de Património Cultural até ao início de 2018. Com destaque para as intervenções na Igreja de São Domingos – Amarante, Igreja do Terço – Barcelos, Basílica de São Pedro - Guimarães, Palácio do Alegrete - Lisboa, Igreja da Misericórdia de Buarcos – Figueira da Foz, Capela de São Nicolau - Sé de Lamego e Igreja dos Clérigos – Porto. Nos últimos anos tem desenvolvido acções de formação ligadas às técnicas de moldagem, técnicas de douramento tradicional e produção de tintas artesanais. Em 2018, dedica-se a desenvolver e lançar oficialmente o projeto Dartecor (www.dartecor.com)

Concerto-Hugo Correia, Portugal

Artista contemporâneo, nasceu em 1977. Realiza concertos e apresentações audiovisuais. Trabalha desde 2000 como solista A do naipe de Contrabaixos da Orquestra Filarmonia das Beiras. Licenciado e Mestre em Composição na Universidade de Aveiro. Curso do Conservatório Superior de Musica e Dança de Paris na classe de Contrabaixo do Professor Vincent Pasquier, como Bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Tem tocado com diversas orquestras e formações musicais e participado, como performer e compositor, em projectos transnacionais na área da música contemporânea. É mentor de vários projectos artísticos, entre eles: FadoMorse, o Lendário Homem do Trigo, Quinteto Ad‘Libitum, Karma Arte Project, “Ohhhp´s Quintet”, projecto “Vipassana”, e.o. Os seus trabalhos de composição são tocados por alguns dos mais prestigiados intérpretes de música contemporânea e tem obtido vários sucessos, de que destaca o prémio “Carlos Paredes – Verdes Anos 2015”.

Eduardo Pires de Oliveira

Doutorado em História de Arte na Universidade do Porto sob o tema “André Soares e o rococó do Minho”. Investigador integrado do ARTIS. Instituto de História de Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e Académico correspondente da Academia Nacional de Belas Artes. Recebei o Prémio José de Figueiredo (Academia Nacional de Belas Artes), 1994. Autor de mais de 230 livros, artigos e comunicações em congressos sobre o Património Cultural Minhoto e sobre a Diáspora da Arte Minhota Barroca e Rococó pelo mundo, com especial relevo em Minas Gerais. Tem como temas principais de investigação “Arte nos séculos XVII e XVIII no norte de Portugal” e “A diáspora dos artistas minhotos pelo mundo nos séculos XVII e XVIII e em particular Minas Gerais”. Sócio fundador da ASPA – Associação para a Defesa, Estudo e Divulgação do Património Cultural e Diretor da revista “Mínia”.

Sofia Afonso 

Fundadora e co-directora da Livraria Centésima Página, em Braga, onde realiza programação cultural e artística regular e onde em 2017 recebeu parte da exposição ART-MAP "Pensar Barroco". Investigadora do Centro dos Estudos Humanísticos da Univ. Minho. Membro do Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa, doutorada em sociologia. Autora de dezenas de artigos com temática sócio-cultural, internacionalismo, arte e Diáspora.  Mestrada em Sociologia na Univ. Coimbra, Licenciada  em Relações Internacionais Politico-Culturais na Univ. Minho. Entre 1990 e 2011 foi Docente de língua e cultura francesa (A1- C1 ) na Universidade do Minho; realizou também: formação de formadores, criação de modelos/acções de formação, criação de conteúdos (simulação de conferência internacional em regime bilingue francês/inglês); participou na organização do Festival Internacional do Conto (2002-2010).

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now